InícioFAQMembrosGlossárioBuscarRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | .
 

 Não sei se isto foi boa ideia, mas aqui estou xD

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Minakie
Acabei de chegar!
Acabei de chegar!
avatar

Mensagens 8
Inscrição 09/11/2017
Idade 26

MensagemAssunto: Não sei se isto foi boa ideia, mas aqui estou xD   9/11/2017, 19:47

Tenho atualmente 26 anos e sou da área de Lisboa/Sintra. E aviso desde já que vai sair daqui um testamento por isso brace yourselves.

Deparei-me pela primeira vez com o termo "assexual" quando tinha 23 anos, já não sei ao certo como. Talvez tenha sido através deste artigo do Público. Mas lembro-me que acabei por ir parar ao primeiro site de comunidade assexual a existir. Aí deparei-me com artigos (na altura poucos), a wiki com toda a terminologia (que, ultimamente, parece nunca estar a funcionar) e, principalmente, fóruns com milhares de relatos na primeira pessoa. Após ler alguns posts, percebi que havia maioritariamente 3 tipos de pessoas naqueles fóruns: pessoas confusas sobre a sua sexualidade, pessoas (maioritariamente assexuais) a responder a todas as questões e ajudar as outras a encontrarem-se e pessoas hetero/homo/bissexuais que foram parar ao fórum por conhecerem alguém assexual e quererem saber mais sobre o assunto. Durante meses a fio frequentei avidamente os fóruns, troquei ideias com dezenas de pessoas e, sobretudo, aprendi. Aprendi sobre a diversidade do espectro assexual mas, sobretudo, sobre mim mesma.

A descoberta do termo assexual deu-me paz interior. Ajudou-me a aceitar que, por muito que a minha família me ache uma aberração por não andar por aí a fornicar (desculpem o termo) com o primeiro que me aparece à frente, afinal não estava sozinha. Afinal não era a única pessoa à face da Terra a ter mais de 20 anos e ainda ser virgem. Ou a nunca ter tido namorado. Ou a não estar nem aí para o facto de vir ou não a ter. Ou a não estar certa de um dia vir ou não a querer "assentar" e não fazer a menor ideia de querer ou não vir a ter filhos. Nem a não ter remotamente o menor interesse em sexo. Afinal, não estava sozinha.

E, para mim, acho que isso foi o mais importante. Por diversas circunstâncias da vida, passei o final da minha infância, a totalidade da minha adolescência e o início da idade adulta mergulhada numa depressão profunda. Atualmente, já não estou deprimida. Ainda tenho as minhas ocasionais crises em que me sinto mais em baixo, mas nunca mais voltei a sentir o nível de apatia que me fazia quase não me querer mexer, nem a ter pensamentos suicidas ou a sentir que estava tão emocionalmente esgotada e desligada do mundo que não era capaz de sentir empatia ou qualquer outro tipo de emoção. Agora, olhando em retrospetiva, lutar sozinha contra a minha depressão até ganhar, foi um caminho longo, que durou provavelmente cerca de 2 anos, mas que começou naquele dia. A minha habilidade de começar a sarar começou no momento em que percebi que era assexual, que existia uma palavra para descrever quem eu era e o que sentia, que havia outras pessoas como eu, que talvez a minha sexualidade ainda viesse a mudar no futuro e que isso não tinha problema e, acima de tudo, no momento em que comecei a aceitar-me como era e a gostar de mim, a recuperar pouco a pouco a autoestima que família e (falsos) amigos me tinham roubado ao longo da minha existência. Depois disso, praticamente não voltei a pensar mais no facto de ser assexual, de ser "diferente". Exceto quando o tema surge em conversa com alguém por um ou outro motivo. Por isso, a pouco e pouco, fui deixando de frequentar os fóruns.

Sou "assumida" perante família e amigos próximos, mas nem toda a gente aceitou da mesma maneira. A minha avó diz que "isso é normal e toda a gente é assim"; a minha mãe diz que "é só uma fase". Mas a pérola da família tem sido a minha tia. A mesma pessoa que, num almoço de família, ensina a filha, atualmente com 11 anos, que devemos aceitar as pessoas transexuais, porque é "normal" e devemos aceitar as pessoas como são e, em seguida, começa a espicaçar-me com os típicos comentários de "não achas que está na altura de teres namorado?" e outros comentários de caráter profano que não acho certo ela dizer na presença da minha prima e que não vou reproduzir aqui. A minha tia reune-se para falar "em privado" comigo num canto da casa, para eu lhe explicar afinal o que é ser assexual, diz-me o mesmo que a minha avó, que é normal e todas as mulheres são assim e blá blá blá e, nem 5 minutos depois, sai-se com comentários do género "porque não assumes de uma vez que és lésbica?" (note-se, em tom agressivo, como se me quisesse obrigar a faze-lo contra minha vontade) e ignora qualquer explicação de que assexualidade e homossexualidade são coisas distintas, ou a brilhante frase "então porque não te assumes? de certeza que a tua mãe e a tua avó não sabem!" e depois fica literalmente com cara de cú quando a informo que, na verdade, o resto da família já está a par e ela foi a última a saber. De salientar ainda que este tipo de conversas com a minha tia é já recorrente; enquanto a minha mãe e a minha avó praticamente não tocaram no assunto desde que lhes contei, a minha tia faz questão de puxar o assunto de cada vez que nos reunimos, e de todas as vezes quer obrigar-me a assumir ao mundo que sou lésbica. Enfim.

Assexualidade à parte, a minha família voltou novamente à fase do "já tens mais de 25 anos, tens de conhecer alguém antes dos 30 se algum dia quiseres casar e ter filhos". Claro que ignoram completamente o facto de eu ser uma gamer sedentária que prefere passar horas a jogar no PC do que "sair à noite" ou "conhecer pessoas novas". Ou o facto de eu não saber se quero ou não ter filhos (mas estar mais inclinada para o não). Ou o facto de eu ser assexual, virgem aos 26 anos e não fazer a mínima questão de "consumar o casamento". Ou o facto de eu não querer sequer casar de todo, especialmente por igreja, porque considero toda esta treta dos casamentos modernos uma 'fabricação social/palhaçada só igualável ao Natal' em que pessoas se casam 'só porque sim', sem sequer serem crentes em Deus, só porque é bonito casar por igreja e convidar montes de gente e fazer uma grande festa e gastar no vestido e no copo-d'água uma fortuna equivalente, muitas vezes, às poupanças de uma vida. Eu não sou hipócrita. Não sou crente em Deus e, como tal, não quero casar por igreja. Não sei se algum dia quererei casar sequer por registo civil. Mas claro que, para a minha família, nada disso interessa. A única coisa que interessa é que "o tempo está a contar".

E essa é a parte que me assusta. O tempo está efetivamente a contar. E eu sou assexual, mas não sou arromântica, antes pelo contrário; apesar de ter crescido meio maria-rapaz fui-me tornando bastante romântica e lamechas e às vezes até demasiado emotiva com o passar dos anos. Por isso sim, gostava de um dia encontrar um companheiro. Alguém com quem partilhar uma casa e talvez (só talvez) até constituir família. Mas, ao mesmo tempo, não tenho vontade de procurar. Já fui magoada em demasia ao longo da minha vida. Não tenho amigos, nem tive desde a escola primária. Apenas "amigos" que me usaram para as suas necessidades académicas e me deitaram fora quando já não precisavam mais da minha ajuda. Por isso aprendi a não confiar nas pessoas. E uma parte de mim não quer sequer procurar alguém para não sair novamente machucada. Porque cansei de dar às pessoas "só mais uma oportunidade" e ter sempre o mesmo resultado. Por isso vivo numa eterna guerra interna. E vivo com medo. Com medo de que, no futuro, me venha a arrepender das escolhas do presente; de acordar um dia e não ter ninguém com quem partilhar a arte de viver e questionar-me sempre "e se...?". E se eu tivesse saído mais de casa? E se tivesse tentado encontrar alguém? E se tivesse dado só mais uma oportunidade? E se...?

De qualquer forma, isto é um fórum de apresentação, por isso aqui fica alguma informação (extra) sobre mim: agnóstica, amante de animais, ambivertida, assexual heterorromântica, bondosa, brutalmente honesta, conservadora, curiosa, desastrada, equalista, esquecida, excessivamente racional, gamer, gorducha, não fumadora, Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção (com crises esporádicas de depressão), sarcástica, sedentária, socialmente estranha, solteira. E provavelmente tantas outras coisas que me esqueci de dizer aqui e que talvez me venha a lembrar e a acrescentar mais tarde.

Para os que conseguirem ler tudo, fica a recompensa: fatia de bolo


Última edição por Minakie em 25/11/2017, 15:20, editado 2 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Fernando
Mestre Supremo(a)
Mestre Supremo(a)
avatar

Mensagens 1115
Inscrição 30/03/2015
Idade 20
Pensamento When you lose small mind you free your life

MensagemAssunto: Re: Não sei se isto foi boa ideia, mas aqui estou xD   9/11/2017, 22:53

Seja bem vinda sorrindo bolo bolo
Foi uma boa leitura, identifiquei-me em alguns pontos, valeu a recompensa ^^

Minakie escreveu:
Ou o facto de eu não querer sequer casar de todo, especialmente por igreja, porque considero toda esta treta dos casamentos modernos uma 'fabricação social/palhaçada só igualável ao Natal' em que pessoas se casam 'só porque sim', sem sequer serem crentes em Deus, só porque é bonito casar por igreja e convidar montes de gente e fazer uma grande festa e gastar no vestido e no copo-d'água uma fortuna equivalente, muitas vezes, às poupanças de uma vida. Eu não sou hipócrita. Não sou crente em Deus e, como tal, não quero casar por igreja. Não sei se algum dia quererei casar sequer por registo civil.

Sintetizou o que penso.

Minakie escreveu:
Por isso aprendi a não confiar nas pessoas. E uma parte de mim não quer sequer procurar alguém para não sair novamente machucada. Porque cansei de dar às pessoas "só mais uma oportunidade" e ter sempre o mesmo resultado. Por isso vivo numa eterna guerra interna. E vivo com medo. Com medo de que, no futuro, me venha a arrepender das escolhas do presente; de acordar um dia e não ter ninguém com quem partilhar a arte de viver e questionar-me sempre "e se...?". E se eu tivesse saído mais de casa? E se tivesse tentado encontrar alguém? E se tivesse dado só mais uma oportunidade? E se...?

Situação parecida aqui..

Enfim, espero que goste daqui.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Nephilim
Aprendiz
Aprendiz
avatar

Mensagens 149
Inscrição 21/01/2017
Idade 17
Pensamento “Não explicar a ciência me parece perverso. Quando alguém está apaixonado, quer contar a todo mundo."

MensagemAssunto: Re: Não sei se isto foi boa ideia, mas aqui estou xD   9/11/2017, 23:43

Seja bem-vinda cupcake ace
Você tem uma história e tanto de vida sorrindo apesar de tudo parece ter preservado muitas coisas boas sobre si mesma, além de ser muito corajosa, é claro.
Desejo-lhe também que aprecie estar aqui.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Romântico
Admin
Admin
avatar

Mensagens 1645
Inscrição 16/04/2014
Idade 40
Pensamento "O amor está acima da morte, assim como como o céu, do oceano" (Jean Baptiste Henri Lacordaire)

MensagemAssunto: Re: Não sei se isto foi boa ideia, mas aqui estou xD   10/11/2017, 09:26

Minakie escreveu:
Tenho atualmente 26 anos e sou da área de Lisboa/Sintra. E aviso desde já que vai sair daqui um testamento por isso brace yourselves.

Deparei-me pela primeira vez com o termo "assexual" quando tinha 23 anos, já não sei ao certo como. Talvez tenha sido através deste artigo do Público. Mas lembro-me que acabei por ir parar ao primeiro site de comunidade assexual a existir. Aí deparei-me com artigos (na altura poucos), a wiki com toda a terminologia (que, ultimamente, parece nunca estar a funcionar) e, principalmente, fóruns com milhares de relatos na primeira pessoa. Após ler alguns posts, percebi que havia maioritariamente 3 tipos de pessoas naqueles fóruns: pessoas confusas sobre a sua sexualidade, pessoas (maioritariamente assexuais) a responder a todas as questões e ajudar as outras a encontrarem-se e pessoas hetero/homo/bissexuais que foram parar ao fórum por conhecerem alguém assexual e quererem saber mais sobre o assunto. Durante meses a fio frequentei avidamente os fóruns, troquei ideias com dezenas de pessoas e, sobretudo, aprendi. Aprendi sobre a diversidade do espectro assexual mas, sobretudo, sobre mim mesma.

A descoberta do termo assexual deu-me paz interior. Ajudou-me a aceitar que, por muito que a minha família me ache uma aberração por não andar por aí a fornicar (desculpem o termo) com o primeiro que me aparece à frente, afinal não estava sozinha. Afinal não era a única pessoa à face da Terra a ter mais de 20 anos e ainda ser virgem. Ou a nunca ter tido namorado. Ou a não estar nem aí para o facto de vir ou não a ter. Ou a não estar certa de um dia vir ou não a querer "assentar" e não fazer a menor ideia de querer ou não vir a ter filhos. Nem a não ter remotamente o menor interesse em sexo. Afinal, não estava sozinha.

E, para mim, acho que isso foi o mais importante. Por diversas circunstâncias da vida, passei o final da minha infância, a totalidade da minha adolescência e o início da idade adulta mergulhada numa depressão profunda. Atualmente, já não estou deprimida. Ainda tenho as minhas ocasionais crises em que me sinto mais em baixo, mas nunca mais voltei a sentir o nível de apatia que me fazia quase não me querer mexer, nem a ter pensamentos suicidas ou a sentir que estava tão emocionalmente esgotada e desligada do mundo que não era capaz de sentir empatia ou qualquer outro tipo de emoção. Agora, olhando em retrospetiva, lutar sozinha contra a minha depressão até ganhar, foi um caminho longo, que durou provavelmente cerca de 2 anos, mas que começou naquele dia. A minha habilidade de começar a sarar começou no momento em que percebi que era assexual, que existia uma palavra para descrever quem eu era e o que sentia, que havia outras pessoas como eu, que talvez a minha sexualidade ainda viesse a mudar no futuro e que isso não tinha problema e, acima de tudo, no momento em que comecei a aceitar-me como era e a gostar de mim, a recuperar pouco a pouco a autoestima que família e (falsos) amigos me tinham roubado ao longo da minha existência. Depois disso, praticamente não voltei a pensar mais no facto de ser assexual, de ser "diferente". Exceto quando o tema surge em conversa com alguém por um ou outro motivo. Por isso, a pouco e pouco, fui deixando de frequentar os fóruns.

Sou "assumida" perante família e amigos próximos, mas nem toda a gente aceitou da mesma maneira. A minha avó diz que "isso é normal e toda a gente é assim"; a minha mãe diz que "é só uma fase". Mas a pérola da família tem sido a minha tia. A mesma pessoa que, num almoço de família, ensina a filha, atualmente com 11 anos, que devemos aceitar as pessoas transexuais, porque é "normal" e devemos aceitar as pessoas como são e, em seguida, começa a espicaçar-me com os típicos comentários de "não achas que está na altura de teres namorado?" e outros comentários de caráter profano que não acho certo ela dizer na presença da minha prima e que não vou reproduzir aqui. A minha tia reune-se para falar "em privado" comigo num canto da casa, para eu lhe explicar afinal o que é ser assexual, diz-me o mesmo que a minha avó, que é normal e todas as mulheres são assim e blá blá blá e, nem 5 minutos depois, sai-se com comentários do género "porque não assumes de uma vez que és lésbica?" (note-se, em tom agressivo, como se me quisesse obrigar a faze-lo contra minha vontade) e ignora qualquer explicação de que assexualidade e homossexualidade são coisas distintas, ou a brilhante frase "então porque não te assumes? de certeza que a tua mãe e a tua avó não sabem!" e depois fica literalmente com cara de cú quando a informo que, na verdade, o resto da família já está a par e ela foi a última a saber. De salientar ainda que este tipo de conversas com a minha tia é já recorrente; enquanto a minha mãe e a minha avó praticamente não tocaram no assunto desde que lhes contei, a minha tia faz questão de puxar o assunto de cada vez que nos reunimos, e de todas as vezes quer obrigar-me a assumir ao mundo que sou lésbica. Enfim.

Assexualidade à parte, a minha família voltou novamente à fase do "já tens mais de 25 anos, tens de conhecer alguém antes dos 30 se algum dia quiseres casar e ter filhos". Claro que ignoram completamente o facto de eu ser uma gamer sedentária que prefere passar horas a jogar no PC do que "sair à noite" ou "conhecer pessoas novas". Ou o facto de eu não saber se quero ou não ter filhos (mas estar mais inclinada para o não). Ou o facto de eu ser assexual, virgem aos 26 anos e não fazer a mínima questão de "consumar o casamento". Ou o facto de eu não querer sequer casar de todo, especialmente por igreja, porque considero toda esta treta dos casamentos modernos uma 'fabricação social/palhaçada só igualável ao Natal' em que pessoas se casam 'só porque sim', sem sequer serem crentes em Deus, só porque é bonito casar por igreja e convidar montes de gente e fazer uma grande festa e gastar no vestido e no copo-d'água uma fortuna equivalente, muitas vezes, às poupanças de uma vida. Eu não sou hipócrita. Não sou crente em Deus e, como tal, não quero casar por igreja. Não sei se algum dia quererei casar sequer por registo civil. Mas claro que, para a minha família, nada disso interessa. A única coisa que interessa é que "o tempo está a contar".

E essa é a parte que me assusta. O tempo está efetivamente a contar. E eu sou assexual, mas não sou arromântica, antes pelo contrário; apesar de ter crescido meio maria-rapaz fui-me tornando bastante romântica e lamechas e às vezes até demasiado emotiva com o passar dos anos. Por isso sim, gostava de um dia encontrar um companheiro. Alguém com quem partilhar uma casa e talvez (só talvez) até constituir família. Mas, ao mesmo tempo, não tenho vontade de procurar. Já fui magoada em demasia ao longo da minha vida. Não tenho amigos, nem tive desde a escola primária. Apenas "amigos" que me usaram para as suas necessidades académicas e me deitaram fora quando já não precisavam mais da minha ajuda. Por isso aprendi a não confiar nas pessoas. E uma parte de mim não quer sequer procurar alguém para não sair novamente machucada. Porque cansei de dar às pessoas "só mais uma oportunidade" e ter sempre o mesmo resultado. Por isso vivo numa eterna guerra interna. E vivo com medo. Com medo de que, no futuro, me venha a arrepender das escolhas do presente; de acordar um dia e não ter ninguém com quem partilhar a arte de viver e questionar-me sempre "e se...?". E se eu tivesse saído mais de casa? E se tivesse tentado encontrar alguém? E se tivesse dado só mais uma oportunidade? E se...?

De qualquer forma, isto é um fórum de apresentação, por isso aqui fica alguma informação (extra) sobre mim: agnóstica, amante de animais, ambivertida, bondosa, brutalmente honesta, conservativa, curiosa, desastrada, equalista, esquecida, excessivamente racional, gamer, gorducha, Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção (com crises esporádicas de depressão), sarcástica, sedentária, socialmente estranha, solteira. E provavelmente tantas outras coisas que me esqueci de dizer aqui e que talvez me venha a lembrar e a acrescentar mais tarde.

Para os que conseguirem ler tudo, fica a recompensa: fatia de bolo
Seja bem-vinda! bolo
Bem completa a sua descrição... gostei! sorrindo
Há tópicos do pessoal de Portugal dentro do subfórum "Encontros & Eventos", recomendo dar uma olhada!
[]'s
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://vk.com/megasenaminhavida
Minakie
Acabei de chegar!
Acabei de chegar!
avatar

Mensagens 8
Inscrição 09/11/2017
Idade 26

MensagemAssunto: Re: Não sei se isto foi boa ideia, mas aqui estou xD   25/11/2017, 15:18

Obrigada a todos!

Sim, já tinha andado a dar uma vista de olhos no fórum de encontros. E nos outros fóruns um pouco. Mas parece que o pessoal aqui de Portugal não é muito ativo.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Emerson Romanski
Aprendiz
Aprendiz
avatar

Mensagens 112
Inscrição 02/12/2017
Idade 24

MensagemAssunto: Re: Não sei se isto foi boa ideia, mas aqui estou xD   3/12/2017, 02:16

Minakie escreveu:
Tenho atualmente 26 anos e sou da área de Lisboa/Sintra. E aviso desde já que vai sair daqui um testamento por isso brace yourselves.

Deparei-me pela primeira vez com o termo "assexual" quando tinha 23 anos, já não sei ao certo como. Talvez tenha sido através deste artigo do Público. Mas lembro-me que acabei por ir parar ao primeiro site de comunidade assexual a existir. Aí deparei-me com artigos (na altura poucos), a wiki com toda a terminologia (que, ultimamente, parece nunca estar a funcionar) e, principalmente, fóruns com milhares de relatos na primeira pessoa. Após ler alguns posts, percebi que havia maioritariamente 3 tipos de pessoas naqueles fóruns: pessoas confusas sobre a sua sexualidade, pessoas (maioritariamente assexuais) a responder a todas as questões e ajudar as outras a encontrarem-se e pessoas hetero/homo/bissexuais que foram parar ao fórum por conhecerem alguém assexual e quererem saber mais sobre o assunto. Durante meses a fio frequentei avidamente os fóruns, troquei ideias com dezenas de pessoas e, sobretudo, aprendi. Aprendi sobre a diversidade do espectro assexual mas, sobretudo, sobre mim mesma.

A descoberta do termo assexual deu-me paz interior. Ajudou-me a aceitar que, por muito que a minha família me ache uma aberração por não andar por aí a fornicar (desculpem o termo) com o primeiro que me aparece à frente, afinal não estava sozinha. Afinal não era a única pessoa à face da Terra a ter mais de 20 anos e ainda ser virgem. Ou a nunca ter tido namorado. Ou a não estar nem aí para o facto de vir ou não a ter. Ou a não estar certa de um dia vir ou não a querer "assentar" e não fazer a menor ideia de querer ou não vir a ter filhos. Nem a não ter remotamente o menor interesse em sexo. Afinal, não estava sozinha.

E, para mim, acho que isso foi o mais importante. Por diversas circunstâncias da vida, passei o final da minha infância, a totalidade da minha adolescência e o início da idade adulta mergulhada numa depressão profunda. Atualmente, já não estou deprimida. Ainda tenho as minhas ocasionais crises em que me sinto mais em baixo, mas nunca mais voltei a sentir o nível de apatia que me fazia quase não me querer mexer, nem a ter pensamentos suicidas ou a sentir que estava tão emocionalmente esgotada e desligada do mundo que não era capaz de sentir empatia ou qualquer outro tipo de emoção. Agora, olhando em retrospetiva, lutar sozinha contra a minha depressão até ganhar, foi um caminho longo, que durou provavelmente cerca de 2 anos, mas que começou naquele dia. A minha habilidade de começar a sarar começou no momento em que percebi que era assexual, que existia uma palavra para descrever quem eu era e o que sentia, que havia outras pessoas como eu, que talvez a minha sexualidade ainda viesse a mudar no futuro e que isso não tinha problema e, acima de tudo, no momento em que comecei a aceitar-me como era e a gostar de mim, a recuperar pouco a pouco a autoestima que família e (falsos) amigos me tinham roubado ao longo da minha existência. Depois disso, praticamente não voltei a pensar mais no facto de ser assexual, de ser "diferente". Exceto quando o tema surge em conversa com alguém por um ou outro motivo. Por isso, a pouco e pouco, fui deixando de frequentar os fóruns.

Sou "assumida" perante família e amigos próximos, mas nem toda a gente aceitou da mesma maneira. A minha avó diz que "isso é normal e toda a gente é assim"; a minha mãe diz que "é só uma fase". Mas a pérola da família tem sido a minha tia. A mesma pessoa que, num almoço de família, ensina a filha, atualmente com 11 anos, que devemos aceitar as pessoas transexuais, porque é "normal" e devemos aceitar as pessoas como são e, em seguida, começa a espicaçar-me com os típicos comentários de "não achas que está na altura de teres namorado?" e outros comentários de caráter profano que não acho certo ela dizer na presença da minha prima e que não vou reproduzir aqui. A minha tia reune-se para falar "em privado" comigo num canto da casa, para eu lhe explicar afinal o que é ser assexual, diz-me o mesmo que a minha avó, que é normal e todas as mulheres são assim e blá blá blá e, nem 5 minutos depois, sai-se com comentários do género "porque não assumes de uma vez que és lésbica?" (note-se, em tom agressivo, como se me quisesse obrigar a faze-lo contra minha vontade) e ignora qualquer explicação de que assexualidade e homossexualidade são coisas distintas, ou a brilhante frase "então porque não te assumes? de certeza que a tua mãe e a tua avó não sabem!" e depois fica literalmente com cara de cú quando a informo que, na verdade, o resto da família já está a par e ela foi a última a saber. De salientar ainda que este tipo de conversas com a minha tia é já recorrente; enquanto a minha mãe e a minha avó praticamente não tocaram no assunto desde que lhes contei, a minha tia faz questão de puxar o assunto de cada vez que nos reunimos, e de todas as vezes quer obrigar-me a assumir ao mundo que sou lésbica. Enfim.

Assexualidade à parte, a minha família voltou novamente à fase do "já tens mais de 25 anos, tens de conhecer alguém antes dos 30 se algum dia quiseres casar e ter filhos". Claro que ignoram completamente o facto de eu ser uma gamer sedentária que prefere passar horas a jogar no PC do que "sair à noite" ou "conhecer pessoas novas". Ou o facto de eu não saber se quero ou não ter filhos (mas estar mais inclinada para o não). Ou o facto de eu ser assexual, virgem aos 26 anos e não fazer a mínima questão de "consumar o casamento". Ou o facto de eu não querer sequer casar de todo, especialmente por igreja, porque considero toda esta treta dos casamentos modernos uma 'fabricação social/palhaçada só igualável ao Natal' em que pessoas se casam 'só porque sim', sem sequer serem crentes em Deus, só porque é bonito casar por igreja e convidar montes de gente e fazer uma grande festa e gastar no vestido e no copo-d'água uma fortuna equivalente, muitas vezes, às poupanças de uma vida. Eu não sou hipócrita. Não sou crente em Deus e, como tal, não quero casar por igreja. Não sei se algum dia quererei casar sequer por registo civil. Mas claro que, para a minha família, nada disso interessa. A única coisa que interessa é que "o tempo está a contar".

E essa é a parte que me assusta. O tempo está efetivamente a contar. E eu sou assexual, mas não sou arromântica, antes pelo contrário; apesar de ter crescido meio maria-rapaz fui-me tornando bastante romântica e lamechas e às vezes até demasiado emotiva com o passar dos anos. Por isso sim, gostava de um dia encontrar um companheiro. Alguém com quem partilhar uma casa e talvez (só talvez) até constituir família. Mas, ao mesmo tempo, não tenho vontade de procurar. Já fui magoada em demasia ao longo da minha vida. Não tenho amigos, nem tive desde a escola primária. Apenas "amigos" que me usaram para as suas necessidades académicas e me deitaram fora quando já não precisavam mais da minha ajuda. Por isso aprendi a não confiar nas pessoas. E uma parte de mim não quer sequer procurar alguém para não sair novamente machucada. Porque cansei de dar às pessoas "só mais uma oportunidade" e ter sempre o mesmo resultado. Por isso vivo numa eterna guerra interna. E vivo com medo. Com medo de que, no futuro, me venha a arrepender das escolhas do presente; de acordar um dia e não ter ninguém com quem partilhar a arte de viver e questionar-me sempre "e se...?". E se eu tivesse saído mais de casa? E se tivesse tentado encontrar alguém? E se tivesse dado só mais uma oportunidade? E se...?

De qualquer forma, isto é um fórum de apresentação, por isso aqui fica alguma informação (extra) sobre mim: agnóstica, amante de animais, ambivertida, assexual heterorromântica, bondosa, brutalmente honesta, conservadora, curiosa, desastrada, equalista, esquecida, excessivamente racional, gamer, gorducha, não fumadora, Perturbação de Hiperatividade e Défice de Atenção (com crises esporádicas de depressão), sarcástica, sedentária, socialmente estranha, solteira. E provavelmente tantas outras coisas que me esqueci de dizer aqui e que talvez me venha a lembrar e a acrescentar mais tarde.

Para os que conseguirem ler tudo, fica a recompensa: fatia de bolo

Eu imagino como deve ser horrível pra uma mulher ser assexual estar com 25+, não ter filhos/marido, a pressão da sociedade deve ser enorme e as pessoas não entendem essa coisa chamada Liberdade, em que vc pode fazer o que quiser.
Da familia teve um dia na casa da minha vó em que uma prima mais velha estava aguentando as piadas sobre ela não ter casado com o namorado dela(na epoca ela devia ter uns 20-22 anos) e fiquei nervoso e sai da cozinha, não aguentava aquela merda, dai lá fora 2 tias minhas conversando que tinham que tomar cuidado porque as filhas delas estavam na idade de namorar rapazes(13-15 anos) e eu "What? Então a pessoa (mulher né, pq homem pode ficar solteiro mas mulher não, que se dane a logica rsrs) tem q começar a namorar/beijar/transar ter toda uma vida de relações em uns 7 anos e já casar? A expectativa de vida quase nos 80 e a pessoa tem q jogar a vida fora antes dos 25?", deve ser bem difícil aguentar essa pressão.
Só que com os homens é diferente mais ainda tem pressão: se você não transa com mulheres você é gay, não existe isso de bi, pan, ace ou sem interesse, ou sei lá mais o que, ou é mulher ou é gay, a sociedade realmente não é legal rsrs. Eu mesmo não tenho interesse em ter filhos, tanto que quando bater 25 já vou pesquisar sobre vasectomia, ai sim que as pessoas vão a loucura "Como assim não ter filhos? Quem vai cuidar de vc quando ficar velho? Vai ficar sozinho? O mundo vai parar, os illuminati vão tomar conta do mundo, um buraco vai se abrir na Terra!" rsrs

Sobre a cituação de o tempo estar contando e suas preocupações no futuro, cara... olha aqui no forum, teve gente que teve uma vida "normal" mas de mentira, quantas pessoas depois de velhas, casadas, com filhos se descobre bi, homo, ace, trans, dai eu te pergunto do que adiantou viver essa vida de mentiras? Também tenho essa preocupação do futuro(esse é meu maior medo, no mundo de Harry Potter o meu bicho-papão seria um relogio), mas se essas pessoas só se descobriram depois de decadas e outras nem se descobriram, se viveram uma vida de enganação, qual o problema de eu viver do jeito que sou mesmo se sozinho? A vida é cheia de duvidas mesmo.

Esse forum realmente ajudar algumas pessoas, isso é o bom.
Seja bem vinda.
fatia de bolo cupcake ace chocolate sorvete café Bolo!!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Não sei se isto foi boa ideia, mas aqui estou xD   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 

Não sei se isto foi boa ideia, mas aqui estou xD

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

 Tópicos similares

-
» decidi por isto aqui.........agora é convosco......
» Foto da Semana 22/02/10
» isto é o destino dos nossos companheiros que partiram mais cedo....
» isto sim é curvar nos limites......
» Museu do Auto Plastimodelismo - Isto é Historia!!!

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Comunidade Assexual :: Comunidade Assexual :: Apresente-se-